Google+ Followers

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Muito bom :P

O mesmo se aplica às pessoas, quando achamos que já não podem descer mais, pimba!!!

quinta-feira, 26 de março de 2015

Dá que pensar...

Histórias de quem não embarcou e escapou à morte

"Após a queda fatal do avião da Germanwings, esta terça-feira, que matou 150 pessoas, muitas são as pessoas que contam as suas histórias e de como o destino não permitiu que embarcassem no avião, conta o Expresso.
 
Marta Carceller não embarcou no avião da Germanwings por estar no fim da gravidez, mas o seu marido foi e acabou por morrer. Depois da queda do avião vários são os relatos de passageiros com bilhete marcado para o voo fatídico que acabaram por fintar a morte.
Entre os que conseguiram escapar, há também o caso de Rafael Rebello, um brasileiro que vive em Barcelona que devia ter embarcado na terça-feira para uma reunião de trabalho, mas que decidiu antecipar a viagem.
“Ainda estou a tremer. A mulher do meu chefe, que ia comigo também na viajem, já me ligou a agradecer por ter aceitado mudar a data da reunião com a mensagem: ‘Você salvou a minha vida’”, explica Rafael Rebello emocionado.

Manuel Blasco também pode agradecer por estar vivo. Foi a “teimosia” da mulher ou o excesso de zelo que o faz estar hoje ao seu lado. Em entrevista ao El Mundo, o espanhol relatou que acordou doente e a sua mulher insistiu que alterasse a viagem que estava marcada para segunda-feira. A ideia era mudar o voo para terça-feira de manhã, mas a mulher exigiu que ele descansasse. Foi isso que o salvou.

Em declarações à BBC, David Cabanes contou de igual forma a sua história. Teve a sorte de ter perdido o voo 9525 da Germanwings e neste momento diz só conseguir sentir “uma mistura de emoções”.

A equipa de futebol Dalkurd FF Borlange, da Suécia, também pode agradecer por ter alterado o voo. "Em primeiro lugar quisemos acalmar os nossos familiares pelo telefone porque eles estavam muito preocupados connosco. Não conseguimos sequer imaginar aquilo que as famílias e os entes queridos das vítimas estão neste momento a sentir", afirmou Frank Pettersson, um dos jogadores, citado pela Reuters."